top of page

HPV Autocoleta: DNA Consult desenvolve metodologias para a prevenção de Câncer de Colo de Útero

Atualizado: 27 de set. de 2022



O câncer de colo de útero é o quarto tipo de tumor mais diagnosticado no Brasil. O câncer de colo de útero é causado por infecção do vírus HPV (Human Papillomavirus), que apresenta muitos tipos diferentes. Os HPV’s de alto risco tipos 16 e 18 são os mais perigosos causadores da doença, responsáveis por cerca de 70% dos cânceres de colo de útero, bem como muitos casos de câncer peniano, câncer anal, carcinoma orofaríngeo e cânceres da cabeça e do pescoço.


Segundo o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer (INCA), na publicação de 2011, intitulada “Diretrizes Brasileiras para o rastreamento Do Câncer Do Colo Do Útero”: O câncer do colo do útero inicia-se a partir de uma lesão precursora, curável na quase totalidade dos casos. Trata-se de anormalidades epiteliais conhecidas como neoplasias intraepiteliais cervicais (NIC) de graus II e III (NIC II/III), Apesar de muitas dessas lesões poderem regredir espontaneamente, sua probabilidade de progressão é maior, justificando seu tratamento. As mulheres que desenvolvem infecção persistente por HPV do tipo 16 têm cerca de 5% de risco de desenvolverem NIC III ou lesão mais grave em três anos e 20% de risco em dez anos.


O HPV é transmitido através da relação sexual, sexo oral bem como qualquer contato com a região genital, inclusive com as mãos. Existem duas formas principais de evitar o câncer de colo de útero:

  • Vacinação contra HPV. A vacina é recomendada na idade dos 9 aos 14 anos e está disponível no Brasil.

  • O diagnóstico através de microscopia, chamado de Papanicolau é sujeito a falhas e deve ser substituído pelo diagnóstico molecular do HPV, que está disponível em laboratórios como a DNA Consult Genética e Biotecnologia. Este tipo de exame é indicado para homens e mulheres em qualquer idade.

É notável que existem dois grandes desafios para o diagnóstico do HPV. O primeiro deles é que o rastreamento de HPV no país ainda é realizado em grande parte através do Papanicolau que apresenta baixa sensibilidade quando comparado ao teste molecular específico para identificação do HPV.


O segundo desafio no rastreamento do HPV é a coleta de amostra de colo de útero, que,

tradicionalmente é realizado em consultórios e clínicas. Um procedimento que deve ser agendado com antecedência e gera custos para o paciente.


A DNA Consult preocupada em diminuir os índices de câncer de colo de útero no país desenvolveu duas metodologias que atacam os desafios na rastreabilidade do HPV.


Para diminuir os custos e dificuldades na coleta de amostra de colo do útero, desenvolvemos metodologias de auto coleta de amostras de colo de útero que são baratas e que podem ser encaminhadas ao laboratório DNA Consult, sem intermediários. A própria paciente recebe o kit* em sua casa, faz a coleta e envia a amostra pelo Correio ao laboratório sem a necessidade de refrigeração.


Este desenvolvimento segue as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) em “OMS estabelece novas metas globais para prevenção e tratamento para o câncer de colo do útero”, 08 julho 2021, cita que: “Autocoleta - Mais acesso a insumos e auto amostragem é outro caminho a ser considerado para atingir a meta da estratégia global de testes de 70% até 2030. A OMS sugere que as amostras podem ser obtidas pelo método de auto coleta a partir da introdução dos testes de HPVDNA”. Além disso, publicações recentes demonstram que a auto coleta de amostras colo uterinas são eficientes e apresentam custo benefício em relação às metodologias tradicionais de coleta.

Com relação à metodologia utilizada para a detecção do HPV, a DNA Consult trabalha com metodologia do qPCR que é altamente específica e sensível para ao HPV’s de alto risco 16 e 185,6.

*Os kits de auto coleta de colo de útero podem ser solicitados para a DNA Consult através do whatsapp (16) 98195-4580.


  1. McBride, AA Papilomavírus humano: Diversidade, infecção e interações com o hospedeiro. Nat. Rev. Microbiol. 2022 , 20 , 95-108.

  2. Godoy, LR; Possati-Resende, JC; Guimarães, YM; Pedrão, PG; dos Reis, R.; Longatto-Filho, A. Implementação de testes de HPV na América Latina: o que aprendemos; O que devemos ter aprendido e o que podemos fazer melhor? Cânceres 2022, 14, 2612.

  3. Melnikow J, Nuovo J, Willan AR, Chan BK, Howell LP. Natural history of cervical squamous intraepithelial lesions: a meta-analysis. Obstet Gynecol. 1998 Oct;92(4 Pt 2):727-35. doi: 10.1016/s0029-7844(98)00245-2. PMID: 9764690.

  4. Cho HW, Shim SR, Lee JK, Hong JH. Accuracy of human papillomavirus tests on self-collected urine versus clinician-collected samples for the detection of cervical precancer: a systematic review and meta-analysis. J Gynecol Oncol. 2022 Jan;33(1):e4. doi: 10.3802/jgo.2022.33.e4. Epub 2021 Oct 7. PMID: 34783207; PMCID: PMC8728664.

  5. Camara H, Zhang Y, Lafferty L, Vallely AJ, Guy R, Kelly-Hanku A. Self-collection for HPV-based cervical screening: a qualitative evidence meta-synthesis. BMC Public Health. 2021 Aug 4;21(1):1503. doi: 10.1186/s12889-021-11554-6. PMID: 34348689; PMCID: PMC8336264.

  6. Julio Cesar Teixeira, Diama Bhadra Vale, Cirbia Silva Campos, Joana Froes Bragança, Michelle Garcia Discacciati, Luiz Carlos Zeferino, Organization of cervical cancer screening with DNA–HPV testing impact on early–stage cancer detection: a population–based demonstration study in a Brazilian city, The Lancet Regional Health - Americas, Volume 5, 2022, ISSN 2667-193X.


24 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page