Empresa cria teste de COVID-19 em que a pessoa coleta a própria saliva

Empresa cria teste de COVID-19 em que a pessoa coleta a própria saliva

CoviD-19

No novo método para exame PCR, paciente expele a saliva dentro de um tubo e resultado sai em até 24 horas após a entrega do material em laboratório.

Uma nova forma de coleta para teste de aferição da infecção pelo novo coronavírus otimiza a forma de diagnóstico, oferecendo à pessoa com a suspeita mais autonomia e menos desconforto com o exame. O procedimento nomeado #SalvaVidasCovid, elaborado pela empresa paulista de biotecnologia DNA Consult, é feito através da saliva coletada pelo próprio indivíduo.

Segundo a empresa, o resultado é rápido e o exame tem 100% de eficácia comprovada.

O Brasil está nas últimas posições na lista do índice de testes realizados para a COVID-19, entre os países mais afetados pela doença. Conforme o Ministério da Saúde, até o princípio de julho foram 13,7 testes na proporção para cada 1 mil habitantes.

Nos Estados Unidos, que registram a maior taxa de mortes no mundo, o número de testes é de 93,62 para cada 1 mil habitantes, segundo levantamento da Universidade de Oxford.

A forma mais comum de aplicação do método PCR até agora é por meio da retirada de amostras da nasofaringe, em que um longo cotonete é introduzido cerca de 15 centímetros pela narina de uma pessoa com caso suspeito.

Um dos diferenciais do teste RT-PCR pela saliva é, justamente, não ser tão incômodo como outros procedimentos por vias respiratórias.

O exame da DNA Consult foi criado prioritariamente para empresas. Para o cofundador e diretor científico da empresa, Euclides Matheucci Junior, a testagem para esse nicho contribui para a retomada gradual e segura das atividades econômicas, evitando a contaminação de colaboradores e clientes.

“Quando o empregador sabe com antecedência que um de seus funcionários está com COVID-19, pode afastá-lo pelo tempo necessário e de acordo com o período de transmissão do vírus, que pode variar. Com isso, garante a proteção de toda a equipe e suas famílias, além dos clientes. Assim, é possível uma retomada segura no trabalho para todos”, ressalta.

Como é feita a coleta

kit para a coleta é individual. O paciente expele a saliva dentro de um tubo e o armazena em um envelope plástico, que deixa a amostra íntegra por até três dias.

Depois que o material chega ao laboratório, o resultado sai em até 24 horas.

Euclides Matheucci Junior pondera que os testes rápidos, feitos a partir da coleta de sangue do paciente e que são comercializados inclusive em farmácias, se tornaram populares – mas não são tão seguros.

A OMS e a ANVISA recomendam somente o teste molecular, do tipo PCR, pois ele consegue identificar o vírus ativo no organismo infectado.

“Os testes do tipo sorológico, que identificam anticorpos produzidos contra o Sars-CoV-2, são uma metodologia indireta com várias falhas. A maioria dos indivíduos não produz anticorpos permanentes contra o vírus, e os reagentes utilizados para a produção dos testes podem não ser adequados. Artigos científicos recentes mostram que tais testes apresentam até 40% de falsos negativos”, afirma Euclides Matheucci Junior.

Fonte: Estado de Minas