Soluções para Saúde Corporativa

As possibilidades da genômica e da farmacogenética vão muito além da realização de testes individuais e podem se constituir poderosa ferramenta na realização de programas de gestão de saúde populacional.

Um exemplo da aplicabilidade dos conhecimentos genéticos é a avaliação do custo-efetividade dos programas de medicamentos oferecidos pelas empresas aos seus colaboradores. De acordo com a literatura, os indivíduos podem ser classificados (de acordo com os polimorfismos genéticos) em metabolizadores lentos, normais, rápidos, e aqueles em que não há metabolização alguma, sendo tais fenômenos responsáveis pela ineficácia dos medicamentos e pelos efeitos colaterais (tabela I e II).

Normalmente, os programas não consideram as diferenças genotípicas entre os seus beneficiários, o que resulta na perda de qualidade de vida e na baixa relação custo-efetividade, induzida pela metabolização deficiente ou mesmo inexistente dos princípios ativos das drogas. Os exames farmacogenéticos nessa população podem ajudar sobremaneira na adequada utilização dos recursos e na eficácia desse tipo de programa.

Outro exemplo importante é relacionado ao anticoagulante warfarina. "A Genotipagem reduz o risco de hospitalização por sangramento ou tromboembolismo em pacientes que iniciam o tratamento com Warfarina em cenários de prática ambulatorial. Estes efeitos parecem ser importantes, estatisticamente significativos e clinicamente significativos. Os médicos devem considerar seriamente a genotipagem de seus pacientes ambulatoriais que estão começando o tratamento warfarin" (1). Neste caso, os testes genéticos são utilizados para auxiliar na escolha da dosagem da prescrição do fármaco, com resultados significativos na qualidade de vida dos pacientes e nos custos dos tratamentos, pois a submedicação pode provocar trombose enquanto que a dosagem em excesso pode resultar em hemorragias, complicações graves que quase sempre geram internações.

A aplicabilidade dos conhecimentos da genômica e da farmacogenética, seja no diagnóstico, no prognóstico e nos tratamentos, podem se constituir apoio inestimável na busca de soluções para os desafios da saúde corporativa.

(1) Ewpstein et al., Warfarin Genotyping Reduces Hospitalization Rates. Journal of the American College of Cardiology Vol. 55, No. 25, 2010”.